4 dicas de administração para empresas de factoring!

4 dicas de administração para empresas de factoring!

empresa de factoring

30 mar 4 dicas de administração para empresas de factoring!

O factoring é um tipo de mecanismo complexo no qual sua função serve para oferecer assistência de gestão financeira a empresas pequenas e médias.   

Ele engloba a prestação de serviços variados, como orientação na compra de matéria-prima, na procura de novos clientes, no domínio do fluxo de caixa, na organização da contabilidade, no acompanhamento das contas a receber e a pagar, entre outros, segundo as necessidades de cada tomador de seus ofícios, e se completa com o pagamento de serviços de seus clientes ou com a compra dos créditos originados nas atividades de vendas mercantis.

De acordo com a associação nacional das empresas de fomento comercial, o factoring não trabalha com esses tópicos abaixo:

  • Empréstimos;
  • Operações de crédito;
  • Descontos;
  • Adiantamento;
  • Expansão monetária;
  • Criação de moeda;
  • Agiotagem.

De modo simples, uma empresa de factoring age juntamente com os bancos e com as outras organizações financeiras que atuam pelo Banco Central.

É importante saber que a empresa de factoring tem amplas responsabilidades, pois além de reger a própria organização, dentro de seus ofícios, cabe o atendimento complexo de administração e gestão das vendas das empresas que já foram faturadas.

Dicas de administração para empresas de factoring

1º Tenha um bom contador para amparo legal e fiscal

Há dentro do desígnio das empresas de factoring o pagamento determinado da empresa, o comutativo que é relacionado com os comprometimentos tanto da empresa, quanto do cliente, além de todas as outras coisas que o factoring trabalha.

Desse modo, todas as prestações de serviços que o factoring alcança nas compras de créditos e também com relação aos saldos ocorridos através das vendas mercantis com tempo determinado necessitam ser escrituradas impecavelmente para que não exista desfalques e prejuízos empresariais, legais e fiscais.

2º Classificação contábil dos gastos do factoring

É necessário que as despesas sejam classificadas de acordo com a alienação de créditos. Desse modo, tudo que for gasto para obter capital de giro, precisa ser colocado como uma despesa financeira.

É importante que os valores de face de título sejam definidos. E aqueles que forem liberados sejam reconhecidos como despesa na data que foram liberados os recursos.

3º Tomador de serviços de factoring

O empresário precisa compreender dentro de todo esse empreendedorismo os procedimentos do tomador dos serviços de factoring, ele também precisa ser contabilizado a cessão de todos os créditos onerosos e aqueles que têm a ver com os serviços de controle financeiro.

 4º Classificação e registro dos serviços tomados

Toda prevenção e cuidado é necessário quando o assunto é factoring, pois os serviços de gestão de crédito, assessoria creditória, mercadológico, seleção de riscos, contas a pagar, entre outros, são despesas administrativas e se caso não forem controladas de maneira certa, a empresa e o empreendedor serão prejudicados de maneira grave.

Eles são tratados como tomadores dos serviços, pois necessitam ser contabilizados segundo o art 1° da Instrução Normativa SRF n° 459/04, desse modo, estão subordinados à retenção na fonte das contribuições, como:

  • PIS-PASEP.
  • CSLL.
  • COFINS.

Por esse motivo, a responsabilidade do contador é ajudar, dar orientações e agir de modo que a empresa de factoring tenha suporte necessário no meio das despesas administrativas e o lucro do negócio, para que não haja prejuízo para nenhum lado.

Agora que você já tem essas 4 dicas de administração para as empresas de factoring, coloque as mesmas em prática e não se esqueça de deixar aqui embaixo o seu comentário nos dizendo o que você achou deste artigo.

Lembre-se que para ter uma empresa dessas é necessária muita organização, concentração e responsabilidade para que tudo dê certo.

Nenhum Comentário

Postar um comentário